sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Do ano que termina


Finalmente deixei de me preocupar com os juízos de valor que os outros fazem.
Finalmente decidi fazer o que me dá prazer, sem me importar com opiniões alheias.
Finalmente valorizo-me mais, reconheço o valor que tenho. E eu mereço tanto!
Finalmente cuido-me, mimo-me, adoro-me.
Chamam a isto loucura? Chamam a isto maturidade? Chamam a isto crise dos quarenta?
Talvez um mix de tudo.

Um dia disseram-me Não percebo porque achas que os outros são melhores do que tu. E foi nesse instante que eu me apercebi que o caminho da minha auto-aceitação já estava a ser trilhado. Foi aí que eu percebi que já não sentia esse fardo que tinha carregado durante tanto tempo.

Um dia disseram-me Finalmente tornaste-te na mulher que eu sempre vi em ti. E eu finalmente senti confiança e aceitei o elogio como meu de direito.

O bem estar interior não vem de um número mais pequeno na balança... não vem de um tamanho abaixo nas calças... O bem estar interior vem da aceitação da pessoa que somos, com todas as qualidades e defeitos que temos.

Já dizia a canção: todas as pequenas coisas é que fazem de ti quem és. E é verdade.

Definitivamente deixo este ano com a alma mais leve e ao mesmo tempo mais poderosa. É um sentimento maravilhoso!

Boas Festas

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Note to my 20-year-old self


You never love yourself half as much as I love you
You'll never treat yourself right darling but I want you to
If I let you know, I'm here for you
Maybe you'll love yourself like I love you 
I've just let these little things slip out of my mouth
Because it's you, oh it's you, it's you they add up to
And I'm in love with you and all your little things

É exatamente o que eu diria à Lena de 20 anos. Esta nova tatuagem representa o meu amor próprio, para eu nunca mais me esquecer o quanto mereço amar-me.

Loving myself, loving life...


segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Fartinha!!



Estou farta de encolher os ombros ao ver a balança subir aos pouquinhos mas constantemente.
Estou farta de deixar que a inércia leve a melhor e eu não levante o rabo do sofá.
Estou farta de ter de me obrigar constantemente a beber água.
Estou farta de já não me lembrar do sentimento de consciência tranquila.
Estou farta de passar o fim de semana inteirinho cheio de abusos.
Estou farta de ter de me relembrar constantemente de hábitos que já deviam estar enraizados, mas que não há meio de se fixarem nesta cabeça meio oca.
Estou farta de andar a arranjar artimanhas para tentar enraizar hábitos saudáveis à toa.
Estou farta de ter a nuvenzinha irritante da preocupação do peso a pairar-me na cabeça.
Estou fartinha...
Apetece-me voltar a preocupar-me em focar-me só em 2017, mas não quero de maneira nenhuma andar em roda livre até lá. Não sei o que fazer…

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Da (falta de) rotina


A Bia está doente desde terça.

Acho piada às opiniões alheias que acham estranho eu ficar em casa com ela apesar de a poder deixar com os avós. Eu sempre achei que uma criança doente quer sempre a mãe perto. Não é o pai, não é a avó ou o avô é a mãe. E mesmo já sendo uma autêntica adolescente, nem eu me sentia bem se não ficasse a cuidar dela.

Não critico quem opta por recorrer à ajuda preciosa dos avós, simplesmente não é para mim, pronto!

Ora, são já 3 dias em casa 24/7 longe das rotinas habituais e confesso que a "dieta" foi completamente por água abaixo.

Podia ter aproveitado para fazer umas sessões de elítica, mas preferi passar hooooras no sofá a adiantar o meu tapete de ponto de cruz.

Podia ter-me entupido de litradas de água e chás, mas até ao almoço ando a tentar acabar com os sumos da festa de aniversário.

Podia ter-me dedicado às sopas e às saladas, mas não, fiz comidinhas boas só porque sim e fartei-me de petiscar porcarias pouco tempo depois do almoço por puro aborrecimento.

Conclusão: ficar em casa dá cabo do esquema. Gosto muito de tratar da minha filhota, mas já sinto falta da minha rotina. Consigo controlar-me muito melhor fora de casa, sem dúvida nenhuma.

A princesa já está como nova e voltamos a entrar nos eixos brevemente.

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Um dia...


... quando olhar para trás, para a minha vida passada, quero recordar os meus quarenta com um carinho especial.

Não foi a minha adolescência, não foi a loucura dos vinte, nem a segurança dos trinta.

Foi a serenidade dos quarenta. Sim, o corpo já reclama, mas a mente, essa, definitivamente não o acompanha.

A maturidade traz uma confiança inabalável que nunca tinha sentido antes.
Traz uma despreocupação da opinião alheia que é absolutamente libertadora.

Foi aos quarenta que passei a olhar para mim com outros olhos... com um orgulho interior que não tem preço.

Faço o que me apetece e me faz verdadeiramente feliz.

Adoro-me e isso é algo que nunca pensei que pudesse acontecer.

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Foi hoje...


Não foi no domingo, nem foi ontem... mesmo depois daquela self-talk inspiradora (not)... foi hoje!

Meia hora de caminhada só eu e a minha música! Eu já sabia que adorava a sensação final... apressar o passo quando a If you don't know aparece no shuffle... abrandar quando é a vez da History... ficar com a lágrima pronta a saltar sempre que ouço os primeiros acordes da Little Things...

Trinta minutos só meus! Sim, adoro!!

domingo, 6 de novembro de 2016

Dois meses depois...


... de começar com as novas rotinas, a tabelinha continua a ser uma bela ajuda porque me dá uma visão alargada dos objetivos.

A água - tem sido um descalabro. Uma coisa tão simples de fazer, que depende unicamente de mim, racionalmente não sei porque me continuo a sabotar desta maneira. Sei que é um hábito fácil de seguir, sei que me faz bem, mas mesmo assim, é daquelas coisas que costumo procrastinar até à hora de deitar e aí deito a toalha ao chão "desisto por hoje"... quase todos os dias. Esta é a tarefa a que me quero dedicar a 100% este mês.

A alimentação clean - até tenho conseguido seguir bem esta rotina. Claro que clean é um conceito muito próprio de cada um. No meu caso não é totalmente guilt-free, porque já aqui o disse que me permito alguns desvarios próprios de uma reeducação alimentar para a vida toda. O que tenho reparado ultimamente é que os fins de semana têm saído um bocado a mais da linha. O plano é não tornar o fim de semana inteiro num grande pecado, mas escolher só um dos dias. Segunda-feira vai passar a ser o dia da desintoxicação, com uma alimentação especialmente regrada.

Hidratar o corpo de manhã e limpar o rosto à noite - tem sido praticamente sem falhas. São as regras que mais se interiorizaram e agora até me parece estranho quando não as cumpro. É exatamente este o objetivo para todas as outras.

O exercício - ............ é simplesmente não existente... Porquê? Porque não me apetece! Inércia is a bitch!! Sei que é crucial para o meu bem estar. Sei que apesar de me custar a começar depois a sensação é maravilhosa. Sei que tenho o telemóvel repleto de música para me ajudar a distrair. Sei que posso começar por qualquer lado, fazer qualquer coisa, seja caminhadas, elítica, dançar à maluca, qualquer coisinha que aumente o meu ritmo cardíaco. Sei que não preciso de começar logo a dedicar 1 hora por dia a qualquer uma destas coisas, sei que posso começar por 10 minutinhos de qualquer coisa. Sei tudo isto, no entanto continuo a sabotar-me... Damn you Inércia!!!

Dez minutos por dia! Esta semana, todos os dias! É só isso que vou exigir de mim. É pouco, quase nada, mas tenho mesmo de começar por algum lado. E esta semana vai ser por aqui. Cada 30 minutos tem direito a um check na tabela. Se é aqui que tenho de melhorar, então é aqui que vou melhorar.

domingo, 30 de outubro de 2016

Da loucura


Bia: Agora sempre que olhar para ti vou ter inveja por teres o piercing... (pausa de 2 segundos)... os meus amigos é que devem ter inveja de mim por eu ter uma mãe como tu...

O orgulho que a tua filha tem de ti... Isto sim, é felicidade extrema!!

Houve alturas em que eu me preocupava com o que os outros pensavam de mim, tinha medo de não corresponder às expectativas dos outros, só queria passar despercebida na multidão.

A idade ensinou-me a relaxar e a não deixar de fazer o que me fizesse feliz.
Ensinou-me a cultivar a minha auto-confiança e a valorizar-me como mereço.
Ensinou-me a não ligar ao que os outros possam pensar sobre as escolhas que faço.
Ensinou-me que sou suficientemente forte para manter as minhas convicções.

Isto não é nenhuma crise dos 40. Não senhora! É simplesmente o símbolo da minha auto-confiança. O facto é que não trocava os meus 40 pelos meus 30 e muito menos pelos meus 20. Sinto-me muito melhor agora, sou muito mais feliz agora do que antes.

A auto-aceitação vem de mãos dadas com a auto-confiança. Quando chegas a este patamar, acredita, sentes o peso do mundo a sair dos teus ombros. E é um sentimento tão bom!!

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Do juízo


Eu: Queria fazer outra tattoo...
Bia: Também quero...
Eu: Quando fizeres 16 anos...
Bia: 18...
Eu: Tens mais juízo do que eu :-D...

Desta vez queria tatuar o interior do pulso direito, algo que simbolizasse o meu amor próprio, a minha autoconfiança.

Gosto imenso desta... vamos ver

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Ajudar os filhos a estudar!



Há quem seja a favor, há quem seja contra... eu pessoalmente acho que independentemente do que os "entendidos" dizem, cada um deve fazer o que funciona consigo.

A Bia anda no 9º ano e sempre a ajudei a estudar algumas disciplinas mais chatas.

Matemática e Físico-Química, por exemplo, nunca estudei com ela! Mulher de letras que sou, sempre rezei para que ela não me pusesse nenhuma questão e que se desenrascasse entre as aulas e o ATL. Tem corrido bastante bem.

Depois há aquelas disciplinas que ela aprende só de ouvir tipo Inglês, Francês, Português. Tal como eu, ela tem talento natural para as línguas, adora Inglês, tem um vocabulário fantástico para a idade (obrigado Twitter, amor pela música e afins) e, também tal como eu, apesar de também ter talento natural para Francês e ter notas excelentes, diz que não gosta da disciplina. Engraçado que eu só comecei a gostar mais de Francês na faculdade quando comecei a ter aulas com professores e colegas nativos.

Depois há as disciplinas chatas História, Geografia e Ciências; as disciplinas cujo melhor método de estudo são os resumos. E é nestas que eu a ajudo e não me arrependo disso.

No ano passado fiquei completamente passada por me terem chamado a atenção a isso, de insinuarem que eu estava a cortar as asas à miúda por ainda, nesta idade, a ajudar com os resumos. Disseram claramente que lhe estava a cortar a autonomia e se era minha intenção ajudá-la sempre...

Se ela sentir necessidade que eu a ajude, é claro que é minha intenção fazê-lo! E não vejo mal nenhum nisso! A prova disso mesmo é que ela é uma aluna acima da média. Eu não aprendo por ela nas aulas, não faço os testes por ela, simplesmente tento melhorar o que ela já tem de bom. Não é essa a função dos pais?

Esta miúda é uma fotocópia minha, mas em melhor.

Eu era uma aluna mediana, tinha 3 por pura preguiça, não tinha quem puxasse por mim. Os meus pais só queriam saber quando eu tinha teste e depois qual tinha sido a nota, de resto, estava entregue a mim.

Ela é uma aluna de 4 / 5. Às vezes, depois de um teste ela manda-me uma mensagem a dizer "correu mal" e eu só digo "deixa lá, para a próxima corre melhor" porque eu sei (e ela também sabe) que fez o melhor que sabia. Corre mal, acontece! Não quero que ela se martirize por isso. No último teste de Geografia disse-me que não tinha corrido muito bem porque tinha estudado pouco. Agrada-me imenso que ela reconheça isso por ela própria e tenho a certeza que da próxima faz de maneira diferente.

Além de ser uma miúda inteligente, ela própria gosta de saber que faz o melhor que pode. Sei que isso lhe dá prazer.

Não quero com isto dizer que não tem vida além disto, muito pelo contrário!

Esta semana vai haver teste de História, Ciências e Inglês, então no sábado estudou-se Ciências e no domingo História. Ficar de pijama o dia inteiro no sofá com a manta por cima e a filha ao lado, é um dos meus maiores prazeres da vida, mesmo que seja a estudar a I Guerra Mundial :)

Os próximos 2 fins de semana vão ser de descanso absoluto! Só música, filmes e passeio...

O estudo é somente uma parte pequena da vida dela, a Bia tem muito mais para além disso.

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Para mais tarde recordar

Deitadas cada qual na sua cama a trocar fotos e mensagens no Twitter

Se há dúvida que não tenho é que eu nasci para ser Mãe. 

São já 14 anos de um ser moldado com infinita ternura. E esse amor que eu julgava que se fosse acalmando com o passar dos anos, tem laivos constantes de paixão assolapada.

- Não dês tanto colo à menina que ela vai ficar mal habituada!
Tanta vez ouvi esta frase da minha mãe e da minha avó quando a menina nasceu! De todas as vezes a ignorei! A Bia adormecia sempre aconchegada no meu colo.

- Ela está tão cosida contigo... depois vai custar-te muito...
Depois logo se vê! Tenho um laço com esta miúda como nunca imaginei ser possível. Às vezes tenho medo de não ter espaço no meu coração para tanto amor.

- Mãe, quero mostrar-te esta música/vídeo... Gostas?...
(1 semana depois) Então, já pesquisaste mais o que te mostrei?... Gosto mesmo disto!
Eu deixo de passar um cesto de roupa a ferro para ficar sentada no sofá com ela a ver o This is us dos 1D porque afinal os moços de boyband oca não têm nada e o Harry Styles não é o convencido que eu pensava, mas sim um fofinho com uns olhos e um sorriso lindos!
Podes gostar dos 1D e estar na lane do Harry, desde que não estejas na lane do Louis, essa é a minha!...

E o hubby olha para nós embevecido e com três pensamentos simultâneos: WTF?! e Já não me bastava uma, agora são duas! e ainda Olha para elas, não vivem uma sem a outra...

- Queres ir sair no fim de semana, filha?... - Sim, vamos andar de carro as duas!
Nós as duas, eu a conduzir, ela ao meu lado, música a tocar suficientemente alto para ela não me ouvir a cantar e lá vamos nós... sem destino, sem hora de regressar!

- Gostas que eu me interesse pelas tuas coisas ou achas que me estou a intrometer demais?
Sim, eu pergunto-lhe! A Lena de 14 anos era tão diferente da Bia de 14 anos! A Lena já estava fechada na concha parva da adolescência; já não dava troco aos pais. A diferença de mentalidades era brutal e chocávamos imenso. A Bia de 14 anos sabe que pode contar tudo à mãe sem medo de julgamentos. Sei que eventualmente ela se vai fechar, porque todos temos a concha parva da adolescência no adn; já reparei que se fechou para a maioria das pessoas, mas comigo continua a ser a mesma.

- A tua filha vai comprar umas botas pretas? Ela já anda de calças pretas e muitas vezes de camisolas pretas... ai não deixes...
Ela veste o que gosta, mãe! E depois se agora gostar de se vestir de preto de vez em quando, qual é o mal? Posso dar-lhe a minha opinião, mas não a obrigo a nada. Conheço bem a menina que está por detrás das roupas... e é a mesma!

- Ai mãe só tens roupas infantis!!
Essa fez-me rebolar a rir! Realmente, eu tenho camisolas com o Mickey, com florzinhas e roupas mais pipizinhas... tenho uma t-shirt que diz "I'll never be too old for Disney!" E comprei porque é verdade!!

At fourty I feel like fourteen!!
Como se estivesse agora a viver uma segunda adolescência com a liberdade que não tive na primeira e com a vantagem de a estar a partilhar com a minha pessoa preferida.

Mum goals!!!

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Cupcakes de chocolate e courgete


A Chef Expess foi uma das melhores aquisições que fiz cá para casa. Não cozinho nela todos os dias, mas é uma ajuda preciosa na cozinha, tanto em tempo como em inovação em pratos mais saudáveis.

Faços sopas cremosas e saborosas em 30 minutos, preparei a massa destes cupcakes em menos de 5 minutos. Enfim, foi dinheiro bem investido.

Nem a esquisitinha da minha filha suspeitou que estes cupcakes maravilhosos levaram courgete em vez de óleo. Ficaram maravilhosos, fofinhos e leves.

Cupcakes de chocolate e courgete

- 1 courgete descascada
     30 seg / vel. 7
- 2 ovos
- 150gr açúcar
- 50gr leite
- 50gr chocolate em pó + cacau em pó
     2 min / vel.3
- 175gr farinha
- 1 c. fermento
- 1 c. bicarbonato de sódio
     30 seg / vel 3
Colocar em forminhas e levar ao forno durante cerca de 30 minutos.

A courgete não se sente minimamente e é uma das minhas descobertas do ano! É uma bela maneira de reduzir na gordura, deixar os bolos mais guilt-free e fazer os miúdos comer mais legumes.

É garantidamente para repetir!!


sábado, 15 de outubro de 2016

Das pequenas vitórias


Esta primeira quinzena de outubro foi um pouco atípica.

Passei uma semana inteirinha sem apetite e extremamente mal disposta. As minhas refeições consistiam em chá e torradas, canja e pouco mais. Até a água me caía mal! Mal comecei a tomar um medicamento para equilibrar a vesícula e o fígado, senti-me logo melhor.

Resultado: perdi 2Kg à força! E, felizmente, quando recomecei a comer normalmente, não os recuperei.

Por acaso, andava a notar há algum tempo que custava imenso ao meu corpo responder à "dieta" e nestes últimos dias (depois da limpeza), notei uma grande melhoria. É como se o meu corpo estivesse intoxicado e esta limpeza tivesse servido para o purificar e dar um empurrãozinho ao metabolismo. Tipo um upgrade ao software, como diz a filhota :-D

Apesar das tarefas diárias estarem a ser prejudicadas, neste momento estou mais confiante, menos inchada, sinto-me mais leve, tanto no corpo como na alma. E isso faz-me apreciar as pequenas vitórias da vida.

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Faz hoje 13 anos que renasci


Faz hoje precisamente 13 anos que iniciei a minha re-educação alimentar.

Mudei a minha vida.
Mudei a maneira de tratar o meu corpo, faço-o com o respeito que ele merece.
Crio a minha filha com exemplos mais corretos.
Fiquei mais saudável.
Fiquei mais feliz.

 É uma autêntica montanha russa, sempre com altos e baixo, mas garantidamente é para toda a vida!

domingo, 9 de outubro de 2016

Sweet DIY

Como o meu quarto vai ficar de cara lavada, há acessórios que deixam de se enquadrar na decoração.

É o caso dos candeeiros. Comprei-os há 17 anos, inicialmente eram todos castanhos com a bola da base azul. Passaram a rosa para condizer com o papel de parede e iriam ficar desenquadrados novamente com o papel que escolhi agora.

O antes e o depois numa só foto
Continuo a gostar do estilo deles e agora ainda mais. Foi só necessário imaginação, rolos de corda e paciência.


Tone-down é o mote da minha casa agora, falta só o meu quarto para ficar tudo perfeito. Amanhã vai levar a tinta e o novo papel de parede. Estou mortinha por ver o resultado!

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Rissóis e panados no forno

Para mim, uma dieta é uma situação provisória, é uma fase mais restrita que eventualmente tem um fim. 

Eu não faço dieta.

Eu faço re-educação alimentar. Eu adoto novos hábitos mais saudáveis ou adapto velhos hábitos e torno-os mais saudáveis.

Eu nunca vou deixar de comer chocolate, por exemplo. Mas já consigo comer só um quadradinho e ficar satisfeita, já não sinto necessidade de comer meia tablete.

Eu adoro salgadinhos, adoro panados e rissóis, recuso-me a retirá-los da minha alimentação!... 

Desde que tenho  a minha Chef-Express, faço rissóis em 3 tempos e com os recheios que me apetece. Ainda recentemente fiz rissóis de bacalhau e azeitonas deliciosos.

Para os cozinhar mais guilt-free faço-os no forno sobre papel vegetal e só levemente borrifados com azeite em spray (melhor-invenção-de-sempre).




E não me digam que não fica tão bom e mimimi... fica melhor! Sequinhos, não-enjoativos, estaladiços, maravilhosos! Já todos se renderam cá em casa e já nem querem de outra maneira!

domingo, 2 de outubro de 2016

Das novas rotinas


Pois é, um mês passou a voar! Ao entrar em outubro, é hora de olhar para a tabelinha das novas rotinas a que me propus na rentrée:

- A minha alimentação está definitivamente mais clean. Sim, há dias de desvarios completos (como ontem), mas nada que me deite tão abaixo que me custe a voltar a erguer. Se ontem me permiti porcarias, hoje já recomecei no registo mais saudável. É assim que tem de ser a vida!

- A água é daquelas coisas que está literalmente ali todo o santo dia na secretária ao meu lado, mas que eu pura e simplesmente ignoro! Há dias em que faço um esforço enorme depois de chegar a casa para atingir os 2 litros (auto-sabotagem no horário laboral, portanto!)

- A pele tem sido a grande beneficiada nestas rotinas. Corre tudo sobre rodas na grande maioria dos dias.

- Tinha decidido neste primeiro mês não me martirizar com o facto do exercício ser uma das coisas que está mais em baixo na minha to-do list. Sei que me faz bem ao corpo, sei que me faz bem à mente, portanto é este o ponto a melhorar no mês de outubro... Espero! Prometo!

- O peso... Ora, os fim de semana foram caóticos com as festas e os restos, portanto isto foi um autêntico iô-iô! No fim, o resultado foi positivo, mas por pouco. Espero que ao introduzir algum exercício, isto abane um bocadinho.

No final de contas, o balanço foi positivo. Consegui olhar mais para mim, concentrar-me mais em mim, ouvir mais o meu corpo e gostar de o cuidar.

É definitivamente para continuar neste caminho... eu chego lá novamente, demore o tempo que demorar! Palavra de Sweet!!!!

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Inimigo nº 1

Quem é? Quem é?...

É a preguiça pois claro!!

Desde o início do mês que voltei a levar almoço de casa.

Sim, eu gosto de almoçar fora com colegas, ver gente, ouvir baboseiras e espairecer. Sim, eu gosto de não ter a preocupação de preparar mais uma refeição, seja nova ou repetir a de véspera.

Mas...

A tentação da escolha é muita e as opções, por mais saudáveis que possam ser, ficam muito aquém do que eu consigo ao controlar em casa os alimentos e a própria confeção.

O maior problema com que me tenho deparado é sem dúvida nenhuma a ementa. Ou eu me organizo convenientemente ou está o caldo entornado. Eu até nem me importo de não variar muito, mas tem mesmo de ser tudo muito prático.

Sopa e fruta há sempre, o que está no meio é que é o pior. Têm sido mais as vezes em que o resto é um desenrasca do que propriamente um complemento adequado e isso não adianta nada à causa suprema da dieta / re-educação alimentar.

Por isso, esta semana voltaram as ementas para almoços, lanches e jantares.

É realmente uma grande ajuda, não sei porque facilmente deixo este excelente hábito para trás... Perco 10 minutos, mas organizo refeições para 7 dias, vario muito mais a alimentação (lanches e jantares principalmente) e garanto que não me falta nada para a confeção.

Também decidi experimentar algo que já ouço falar há anos, mas a que nunca me tinha dedicado: legumes assados no forno (fez-se luz aqui...)


Experimentei com courgete, batata doce, beringela, alho francês, abóbora, cenoura e cogumelos, sal, colorau, um fiozinho de azeite e outro de vinagre balsâmico e... nhamm, é uma delícia!! Da próxima troco a beringela por couve flor, foi a única coisa que não gostei tanto.

A ideia é deixar já separado em porções individuais (espero que não se estrague ou fique choco) e juntar só alguma proteína; hoje foi frango estufado, amanhã vai ser bacalhau esfiado, por exemplo.

Vamos lá ver como é que isto corre!!

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

After party


Setembro é um mês recheado de acontecimentos = festas = abusos = restos booons...

Se no sábado passado a festa foi com a família para o hubby e a filhota, este sábado a festa será exclusivamente para as amigas adolescentes da filhota = mais restos...

Eu tenho um grande problema: acho sempre que faço pouca comida porque não quero que fiquem muitos restos, mas como também não quero que falte nada, acabo sempre por pôr mais isto e mais aquilo e acaba por sobrar coisas que não fazem parte da nossa alimentação diária.

Cá em casa não se desperdiça comida, portanto os restos foram todos aproveitados a muito custo (not), porque um dia (ou dois) não são dias... e porque afinal foram duas festas em uma :))

Nos entretantos voltamos à alimentação regrada e tentamos arranjar artimanhas para que a preguiça não faça estragos no planeamento das refeições (assunto para outro post).

Amanhã vai ser outro dia com direito a tudo que os adolescentes gostam, porque é um dia de festa e porque um dia não são dias. Só espero que os restos não sejam muitos...

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Aaahhhh!!...


- As manhãs frescas e tardes ainda amenas
- O conforto da manta no sofá
- Os tapetes de folhas secas no chão para pisar
- As árvores pintadas de vários tons de castanho-avermelhado
- O prazer da chávena de chá quentinha
- O por do sol mais intenso
- Tardes de sábado com maratonas de séries enquanto morrinha lá fora

Sou mesmo uma pessoa de outono (ou não tivesse nascido em novembro), é a minha estação do ano preferida.

A única coisa que realmente não gosto é dos dias mais curtos e noites mais longas... de resto é perfeito!

Começa hoje às 3 da tarde.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Do dia em que a minha vida mudou


Pouco passava da meia-noite quando acordei com uma vontade estranha de ir à casa de banho. Sentei-me na sanita e sem esforço nenhum senti o chichi a sair... não, afinal tinha-me rebentado as águas.

- Talvez não seja isso, vamos esperar um bocadinho para ver se esta pressão estranha na barriga pára. Não parou, continuou em intervalos regulares, eram as contrações...

Nessa tarde, a obstetra tinha andado a mexericar lá por baixo para tentar apressar a coisa e a indução estava, de qualquer modo, marcada para a manhã seguinte às 8:00 na Maternidade.

Na confusão, o carro virou para o Hospital de S. João, era mais perto.

- Estou, D. Alice, vamos a caminho do Hospital, a menina vai nascer...
- Para que é que estás a inventar Luís, ainda há bocado saí daí de casa e estava tudo normal...
A minha mãe nunca mais dormiu.

Desta vez não consegui descer as escadas para o piso da obstetrícia pelo meu pé. A dor era chata, um aperto estranho no fundo da barriga.

- Ora bem, está em trabalho de parto, sim senhora, mas isto ainda vai demorar umas horitas. Pode ficar ou pode voltar mais tarde se quiser.

Fiquei, claro. Deviam ser umas 2 da manhã. Até me darem a epidural foi um tormento... eu estava descontrolada, essa cena de controlar a respiração deve funcionar, mas eu não me conseguia concentrar.

Estou cheia de sede, tenho calor... ele sopra-me na cara para me refrescar(?)...
- PÁRA COM ISSO!!
- Ó menina, ele não tem culpa!...

Finalmente vem o anestesista. Não me posso mexer para tomar a epidural, coisa quase impossível no meio de contrações dolorosas. Já está!

Engraçado, belisco as pernas, sinto a pressão, mas não a dor! A partir daí, só o monitor regista as contrações, eu já não as sinto.

Consigo dormir algumas horas enquanto ele, coitado, olha para a televisão na sala ao lado, não deve estar a ver nada.

Oito da manhã, muda o turno e o corropio no meu quarto recomeça, agora com outras caras. Agora várias pessoas entram e saem amiúde.

- É agora, vamos a isto. Quando sentir as contrações faça força!
Eu não sinto as contrações, o monitor é que as indica.
- Faz força agora! Mais uma vez e já está!
Só me lembro de várias pessoas à minha volta e um médico novo a fazer força com os braços no topo da minha barriga a empurrar a bebé para baixo.

Não sentia dor nenhuma. Sentia a pressão do corpinho dela e senti nitidamente as perninhas a sair. Nunca me hei-de esquecer dessa sensação.
- O pai quer cortar o cordão?
- É melhor não. A voz treme-lhe.

Vejo-a pela primeira vez. Os olhos enormes muito abertos e a linguazinha fora e dentro a lamber os lábios. Tão linda. Tão perfeitinha a minha Bia!

Eram dez horas certinhas!

Enquanto tratam de mim, vejo que a embrulharam e colocaram numa mesinha à espera do primeiro abraço. Ela continua com os olhos muito abertos e a linguazinha de fora, muito atenta aos barulhos que a rodeiam.

Ainda senti a darem-me os últimos pontos, o efeito da epidural já estava a passar, mas eu já só pensava no momento seguinte.

Deitei-me de lado com a Bia junto a mim. Ela estava ali. Parecia mentira. Procurou logo a maminha, como se fizesse isso a vida toda :) e ali ficamos um bom bocado só a olhar para ela, como se não existisse mais nada no mundo.

Foi precisamente há 14 anos atrás! Parabéns minha princesa! Adoro-te miúda!!

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Meio mês depois...




Quinze dias depois do recomeço destas novas rotinas, este é o aspeto da tabelinha que está colada no frigorífico.

- As rotinas com o cuidado do corpo estão implantadas, corpo e rosto hidratados e limpos sempre.

- A água e a alimentação tiveram uma grande melhoria, estou no bom caminho, considerando que o mês de setembro é recheado de festas (nem um único fim de semana livre este mês!)

- O exercício: confesso que os quadradinhos estão quase todos em branco, mas propositadamente. Quis experimentar ver como o meu corpo reagia só com a alteração na alimentação. Sim, será para introduzir algum exercício, mas mais para a frente, nem me vou preocupar com isso este mês.

- Danos colaterais: o peso obviamente baixou, nem outra coisa seria de esperar. Não foi muito, mas o suficiente para me manter motivada. Decidi pesar-me só no dia 1 e no dia 15 e isso também me faz andar mais descontraída.

De consciência tranquila, isso sim, é importante!

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Olha olha...

https://www.instagram.com/_lena_sweet_/
Sweet
A Sweet está no instagram! Aquilo é engraçado...

Não que eu ponha lá muita coisa de jeito, mas se quiserem seguir, estão à vontade.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Ando viciada em cenas australianas....


Seja em formato de música - 5 Seconds of Summer
Seja em formato de comida - Masterchef Austrália (demora muito para começar uma nova temporada?!)
Seja em formato de decoração - House Rules (atualmente no top de preferências mãe e filha)

Ora a combinação Sweet + programas de makeover é uma coisa perigosa. Esta cabecinha anda sempre a magicar.

Depois de redecorar o hall, a sala, o quarto da Bia e o quartinho de brincar, ficou só a faltar o meu quarto.

A minha casa, que era super-colorida, levou um tone-down e agora está em tons mais naturais, menos garridos e só o meu quarto lavanda com cerejeiras em flor é que destoa.

Eu normalmente até estou quietinha até que vejo uma coisinha qualquer que desperta a minha veia de decoradora. Aconteceu ontem, por acaso noutro programa de makeover que comecei a ver (Brother vs Brother). Alguém estava a pintar paredes de cinza clarinho e foi o bastante.

Hoje já fui cheirar papeis de parede e adorei dois completamente diferentes que me enchem as medidas em vertentes opostas. Um é suave e romântico. O outro é abrutalhado, mas com a conjugação de cores mais perfeita que eu já vi para o efeito que quero.

E agora? Qual é que eu quero? O abrutalhado ficou-me logo no coração. A cabeça diz-me que o romântico é mais adequado ao quarto...

Romântico com purpurinas
Abrutalhado com cores perfeitas

Não sei como vou escolher. Só sei que não vou descansar enquanto não vir a obra pronta... pobre hubby...

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

De volta à vida real


Normalmente depois das férias fico uns dias zen, nada me chateia...

Este ano, o estado zen foi completamente abafado pela irritação e depressão pós-férias.

Aaaahhhhh só me apetecia dar meia volta e desaparecer do escritório.

Espero que o estado de espírito melhore, estou com um humor de cão!!!

domingo, 4 de setembro de 2016

Growing up


Ontem a princesa foi pela primeira vez de metro para a Baixa do Porto com as amigas.

Depois de 21 dias juntas noite e dia, lá foi ela toda contente celebrar o aniversário de uma das amigas. Fartaram-se de passear no Porto, foram até à Ribeira, passaram para Gaia, apanharam o metro e vieram para casa.

Eu fiquei em casa, surpreendentemente, descansada. Pensei que quando este dia chegasse eu fosse ficar nervosa, sempre de olho no telemóvel, a pensar onde ela pudesse estar, mas afinal, não.

Fiz uma maratona de Anatomia de Grey, passei a ferro, fiz umas bricolages que estavam na gaveta há algum tempo, pastelei no sofá, arrumei a casa, enfim, o que me deu na real gana.

Confesso que com a idade dela já eu estava fartinha de andar sozinha pela cidade, andava de autocarro e demorava montes de tempo a chegar a casa por ficar na conversa com as amigas. Mas os tempos são outros, eu pelo menos tenho tendência a protegê-la e ela também não mostra grande vontade de andar por aí sozinha.

Às vezes acho que lhe devia dar um empurrão, fazê-la sair da sua zona de conforto e fazer com que ela começasse a desenrascar-se sozinha. Mas na maioria das vezes acho que ela tem muito tempo para isso e deixo-a desenvolver-se ao ritmo dela.

O mais importante é que me senti segura neste primeiro passo. Aos olhos de muitos, isto é uma insignificância, mas para mim é um passo enorme. E o mais importante no meio disto tudo é que me senti segura porque confio plenamente nela.

sábado, 3 de setembro de 2016

Eu não sou gaja de baixar os braços...

Pessoa: Essa tatuagem da borboleta que tens no pé direito tem algum significado?

Eu: Mas é claro que sim, eu era incapaz de fazer uma tatuagem sem um significado eterno. Esta significa o compromisso que eu fiz comigo própria de mudar o meu estilo de vida para uma vida mais saudável...

E tenho de a honrar!

Posso cair 10 vezes, mas tenho de me levantar 11.

Diz-se por aí que são necessários 21 dias para criarmos um hábito. Eu nos primeiros 2 ou 3 dias sou um espetáculo, uma gaja exemplar, mas depois é o descalabro, sinto-me fisicamente a auto-sabotar-me, o meu diabinho é forte e persistente e gosta de levar a melhor.

Por isso, depois de mais de mil e um estratagemas que já passaram por aqui, este mês vou tentar um novo.

Fiz a tabela abaixo e colei-a no frigorífico. É minha intenção preencher a maioria dos quadradinhos com check. Porque há alturas em que simplesmente me esqueço da minha suposta nova rotina...



Ainda ontem à noite por exemplo já estava na cama e na minha mente era este o diálogo "bolas, esqueci-me de limpar a pele... ó, deixa lá, é só hoje... vê lá se logo no segundo dia já te estás a baldar... tá bem, já vou..."

Portanto, até pode não dar em nada, posso daqui a uma semana nem me lembrar de vir aqui atualizar isto, mas ninguém diz que eu não tento inovar! Quem sabe se não é este o caminho certo, desta vez?

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Dia 1 de setembro


Dia oficial de recomeço!!

Qualquer dia é bom para recomeçar, mas setembro tem um gostinho especial para mim, sempre teve.

Marca sempre o fim das férias, o regresso às rotinas, à estação do ano que eu mais gosto, ao tempo mais ameno e a azáfama do início do novo ano escolar, com novos desafios. 

É o simbolismo da folha em branco onde podes escrever absolutamente tudo o que te apetecer.

Normalmente é nesta altura que o meu corpo me pede misericórdia, pede encarecidamente para eu retomar os hábitos mais saudáveis esquecidos em férias. 

É também nesta altura que a minha mente está mais descansada e ainda em estado zen e faz-me acreditar que tudo é possível e que eu consigo ser suficientemente disciplinada para viver uma vida mais saudável e de acordo com os meus ideais.

É também altura de voltar a este cantinho que tem estado um pouco ao abandono e tem servido para debitar lamentos e auto-comiseração.

É pelo menos essa a minha intenção :-)


terça-feira, 30 de agosto de 2016

Tenho uma amiguinha nova


Finalmente rendi-me à loucura das máquinas de cozinhar. A Bimby pode ser a última coca-cola do deserto, mas sinceramente nunca na vida daria mais de um ordenado por ela, nem mesmo em suaves prestações mensais.

Depois de pesquisar as opções, há um mês atrás decidi-me pela Chef Express do Pingo Doce e realmente só posso dizer maravilhas dela.

Se substitui o fogão tradicional? Nem pensar! Se ajuda imenso na confeção das refeições? Absolutamente!

O melhor de tudo é que me leva a experimentar sabores novos, variar as refeições e me permite cozinhar um maior leque de refeições saudáveis com maior facilidade e rapidez.

Faz um leite creme divinal, mesmo!
Deixei de comprar rissóis. Eu e a princesa adoramos rissóis e desde que nos habituamos a cozinhá-los no forno, eles passaram a fazer mais parte das nossas refeições. Faz a massa em menos de 5 minutos e depois é só variar os sabores do recheio... o céu é o limite no que diz respeito à imaginação!

Ainda hoje saíram de lá 2 bolos: um deles saudável para congelar para dar para os lanches de cenoura e courgete que ficou maravilhoso. O outro de chocolate para celebrar o fim das férias e para adoçar a boquinha da princesa que foi ontem pôr o aparelho dentário e só pode comer coisinhas moles. Cada um deles não demorou mais do que 5 minutos a fazer (tirando o tempo no forno, claro)

Todas as receitas da Bimby podem ser utilizadas na Chef, mas penso que seja uma questão de tempo até começar a fazer tudo a olho.

Preparem-se, que é capaz de sair daqui umas receitinhas saudáveis!

sábado, 27 de agosto de 2016

De coração cheio

No seguimento do post anterior...

Making teenage dreams come true
Radiante por ter feito parte da realização deste sonho.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Desta coisa de ter filhos adolescentes

Há cerca de 2 anos a minha filha começou a falar com uma miúda que conheceu num grupo no facebook e daí nasceu uma linda amizade virtual.

A Bia fala-me dela como de uma qualquer amiga real com a grande vantagem que partilham os mesmos gostos e com a grande desvantagem de viver a 300km de nós, o que torna impossível o abraço físico.

Claro que a minha reação inicial a esta amizade virtual foi ficar de pé atrás. Afinal, por detrás de um écrã qualquer um pode ser o que quiser, mas com o tempo, passei a encarar a Carlota como uma qualquer outra amiga que a minha tem na vida real.

A miúda segue-me no fb e no twitter (por iniciativa dela, não sou daquelas mães cola) e chega a comover-me a amizade que têm uma pela outra.

Mais do que ninguém, eu compreendo plenamente a amizade virtual. Foi neste mundo que eu me apoiei numa fase em que me senti incompreendida na vida real. É aqui que eu consigo ser 100% transparente sem medo de juízos de valor.

Este fim de semana, ao voltar ao Porto, é minha vontade fazer o desvio necessário para realizar o sonho destas duas adolescentes: o abraço real há muito desejado.

A Carlota ainda não sabe se a mãe autoriza o encontro e isso deixa-me triste. Sim, eu compreendo que a mãe dela possa ter os mesmos receios quanto às amizades virtuais da filha, mas se ela, como eu, soubesse o quanto uma significa para a outra, acho que não hesitava.
Especialmente numa época como a de hoje, com tantos perigos escondidos por detrás do écrã de um simples telemóvel, acho muito mais importante acompanharmos os miúdos de perto (sem passar a barreira da privacidade) do que proibir tudo e mais alguma coisa. A confiança é a base de um bom entendimento.

Entristece-me saber que há pais que não estão a par das vidas dos filhos.

Eu nào quero ser a mãe-galinha-chata-cola-que não deixa respirar, mas quero continuar a ser o porto seguro da minha filha.

Gosto que ela partilhe comigo os detalhes da sua vida, os gostos, as preocupações, as alegrias e as desilusões.

Bem sei como isso me faltou a mim e como me marcou, mas isso já é assunto para um outro post.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Todos os anos é a mesma coisa


Todos os anos chego à praia e logo no primeiro dia tiro a brilhante conclusão que não há corpos perfeitos. Há corpos de todos os tamanhos e feitios, mas nenhum deles perfeito.

Depois há dois tipos de pessoas: as que se envergonham do corpo que possuem e que - julgam - ver olhares reprovadores nas caras dos outros e as que se sentem bem consigo e não ligam ao que os outros pensam.

Durante muitos anos, eu fui do primeiro grupo.
Durante muitos anos eu achava-me a pessoa mais gorda e  disforme onde quer que estivesse.
Durante muitos anos, eu achava que via olhares reprovadores e, pior, de pena nas caras das pessoas que cruzavam o seu olhar com o meu.

E parecendo que não, essa insegurança nota-se na postura, no andar e até no olhar de cada um.

Apesar de já ter estado mais pequena, este ano orgulho-me de pertencer ao segundo grupo.

Sim, as minhas pernas têm bastante celulite, o meu peito é descaído, a minha barriga é flácida... mas eu não quero saber. Eu gosto de mim, tenho orgulho do que consegui, até onde cheguei, da pessoa que me tornei e caminho na praia sem vergonha. As pessoas que passam não olham com reprovação afinal, elas querem lá saber, cruzam-se comigo um segundo apenas.

A reprovação está na nossa cabeça e quando nos libertamos dela começamos a viver plenamente!

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Destralhar faz bem à alma

Depois da saga de destralhar o quartinho de brincar que começou aqui, finalmente dei por concluídas as arrumações.

Não sei se é assim com toda a gente ou se sou eu que sou uma pita-chorona-que-não-gosta-de-se-desfazer-de-absolutamente-nada, mas custa-me sempre imenso desapegar-me das coisas que me dizem algo... e em todo o lado tenho recordações!

Então tudo o que seja relacionado com a filhota ganha ainda mais significado e desapegar-me das coisinhas dela é sinónimo de mais um milímetro a aproximar-se da beirinha do ninho para voar. E isso custa-me, pronto.

Dito isto, adoro a leveza que tomou conta do quartinho de brincar (sim, vai continuar a chamar-se assim).


Depois de umas quantas viagens ao IKEA, do compra-troca-devolve, lá finalizamos a obra.

Aqueles 5 m2 foram aproveitados ao centímetro, tenho tudo organizado e com espaço de sobra para mais tralha que queira guardar.

Decidi colocar o mobiliário todo branco e a tijoleira clarinha voltou a ver a luz do dia depois de uns 10 anos coberta com um pavimento de PVC de bonecada.


Nestas duas maravilhosas cómodas cabem agora todos os lençóis, toalhas e coisas da costura incluindo imensas calças de gangas velhas a aguardarem ideias luminosas para reutilização.

O sítio onde antigamente estavam arrumadas estas coisas (à esquerda) está agora carregado de livros de histórias que ainda não tive coragem de guardar. Mas também é maneira do quartinho manter algum colorido...
 

Os jogos deste cantinho que ainda são apropriados para a idade da filhota passaram para uma prateleira junto ao teto e para este cantinho passou o "escritório" que saiu da sala.

O "escritório" é basicamente esta estante que além dos portáteis e da impressora, tem também papel, envelopes, algumas pastas de arquivo e material básico de escritório, sempre útil e agora mais arrumadinho.


Do outro lado ficou uma estante bastante vazia, mas um milhão de vezes mais apresentável do que a confusão que estava antes. As famosas caixinhas de morangos foram forradas com cartolina florida para darem um ar ainda mais fofinho e calmo a este canto. Adoro!


Continua a ser o quartinho de brincar, continua a estar salpicado de cor e de pequenos brinquedos, mas agora com um ar muito mais clean.

domingo, 7 de agosto de 2016

Da pureza das crianças


- Tia, porque é que os teus pés são tão gordos?!
- ....
- Se calhar tens de ir ao médico...

A minha sobrinha de 5 anos ficou sem resposta e eu, mais uma vez, levei um safanão para ver se acordo de uma vez.

Tenho saudades de vestir as calças brancas e que agora não consigo apertar o botão.
Tenho saudades de vestir a blusa azul que comprei apertada, mas que consegui que me servisse na perfeição e que agora já não aperta de novo.
Tenho saudades do bater forte do coração depois de uma hora de caminhada.
Tenho saudades de me levantar de noite para fazer mais um chichi por ter bebido tanta água durante o dia.
Tenho saudades de ver o número da balança descer ao sábado de manhã como recompensa de uma semana saudável.
Tenho saudades de não estar dependente dos doces.
Tenho saudades de me sentir em paz com a minha consciência.

O hubby desvaloriza e diz que eu NUNCA mais na vida vou voltar ao ponto de partida. Eu não tenho tanta certeza. Sinto que é tão fácil lá voltar! Basta desligar-me de mim e num abrir e fechar de olhos estou lá de novo.

Não quero lá voltar. Não posso lá voltar. É um sítio escuro onde tudo era mais importante do que eu. Eu mereço muito mais. Eu mereço sentir-me bem comigo e mereço sentir orgulho em mim.

Sei que depende só de mim, mas não me lembro de como o fiz...

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Não gosto de me sentir assim


Indisciplinada
Entupida
Inchada
Baldas
Pesada
Descontrolada
Enferrujada
Overwhelmed

Preciso de voltar a sentir orgulho em mim e não estou a conseguir...

terça-feira, 2 de agosto de 2016

domingo, 24 de julho de 2016

Custa-me sempre imenso... mas hoje ainda mais...


Destralhar as coisas da minha filha: odeio! 

Guardar as roupas que já não lhe servem... os brinquedos com que já não brinca... os livros que já não lê... os filmes que já não gosta... detesto!

Lembra-me de que ela está a crescer, que já não é a minha menina pequenina. Que daqui a pouco abre as asas que já são tão grandes e começa a voar.

Odeio! Custa-me sempre imenso!

Cá em casa temos uma divisão a que sempre chamamos quartinho dos brinquedos que nada mais é do que uma casa de banho com um tamanho razoável que decidimos transformar num +1. Coisas que ela já  não queria no quarto, mas que eu ainda não estava pronta para dar, basicamente migravam do quarto para o quartinho dos brinquedos. 

Esta semana decidi transformar o espaço numa divisão mais funcional e organizada, estava toda entusiasmada a planear tudo, comprar o que queria no IKEA, montar móveis, pintar uma estante existente, tirar o que estava lá dentro, tirar o chão de vinil... até que ao ver o quartinho dos brinquedos vazio, deu-me um aperto no coração, sentei-me no chão e desabei completamente. 

Nunca mais este espaço vai ser o quartinho dos brinquedos. A menina pequenina que aqui morava deu lugar a uma jovem serena mais metida no seu canto e que não quer mais brincar com a Sofia, nem com as panelinhas, não quer que eu lhe leia o piu meio (capuchinho vermelho) nem quer ver o Pooh do Natal pela centésima vez. E isso dá-me uma saudade imensa...

Sei que ela ainda quer a minha companhia para tudo! Ela quer que eu veja o vídeo novo dos 5SOS, quer que eu ouça a música que descobriu agora dos One Direction e que veja o novo penteado do Harry Styles, quer que eu veja se gosto do Andy Biersack para expandir os meus horizontes, diz ela... Sei que ela gosta que eu tenha os gostos dela, dá-nos assunto para falar durante horas!

Mas já não é a minha menina pequenina que eu conseguia encaixar no meu colo, que adormecia na sala no meu peito e que eu ainda conseguia levar ao colo para a cama...

E é essa saudade que me fez desabar... não que eu não goste que ela cresça, não é isso... eu tenho é saudades dela pequenina... porque eu ainda gosto do Winnie the Pooh e do Ruca do Natal, mais do que filmes, são momentos que partilhamos as duas... ela é que já não gosta...

Neste momento o quartinho dos brinquedos está a meio, não consegui continuar sem extravasar os sentimentos aqui, onde me consigo acalmar.

Lágrimas choradas, é altura de continuar... sim, porque neste momento o meu quarto está neste belíssimo estado:


Vamos ver se há um antes e depois dentro de alguns dias.

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Das pequenas descobertas

Muito de vez em quando encontro uma música que me toca de uma maneira tão profunda que não a consigo ouvir sem uma lágrima a escorrer-me pela face.
 
É o caso desta. É como se o meu atual Eu falasse com o meu passado Eu...
 
 
 
Your hand fits in mine like it's made just for me
But bear this mind it was meant to be
And I'm joining up the dots with the freckles on your cheeks
And it all makes sense to me
I know you've never loved the crinkles by your eyes when you smile
You've never loved your stomach or your thighs
The dimples in your back at the bottom of your spine
But I'll love them endlessly
I won't let these little things slip out of my mouth
But if I do, it's you, oh it's you, they add up to
I'm in love with you and all these little things
You can't go to bed without a cup of tea
Maybe that's the reason that you talk in your sleep
And all those conversations are the secrets that I keep
Though it makes no sense to me
I know you've never loved the sound of your voice on tape
You never want to know how much you weigh
You still have to squeeze into your jeans
But you're perfect to me
I won't let these little things slip out of my mouth
But if it's true, it's you, it's you, they add up to
I'm in love with you and all these little things
You never love yourself half as much as I love you
You'll never treat yourself right darling but I want you to
If I let you know, I'm here for you
Maybe you'll love yourself like I love you oh
I've just let these little things slip out of my mouth
Because it's you, oh it's you, it's you they add up to
And I'm in love with you (all these little things)
I won't let these little things slip out of my mouth
But if it's true, it's you, it's you they add up to
I'm in love with you, and all your little things


segunda-feira, 18 de julho de 2016

Há dias assim...


... em que me sinto cinzenta... murcha... em que a lágrima está sempre pronta para saltar cá para fora... em só me apetece sentar num canto sossegada sem falar com ninguém...

Nestes dias, só um miminho destes me faz sorrir... quem diz que as amizades virtuais não são reais não sabe mesmo do que fala... Obrigada Sweet!

sábado, 16 de julho de 2016

Do "só por hoje"


O "só por hoje" foi uma constante esta semana...

Reduzi os doces ao mínimo
Enchi-me de sopas e saladas quando pude
Reduzi arroz e massas ao mínimo e mantive mesmo só o pãozinho (dele não prescindo)
Resisti a um mega-éclair, mas sucumbi a um mini-éclair que me matou a gula por completo

Mesmo com o fim de semana passado fora e, logo, mais relaxado, acordei hoje com 1kg a menos!!

Afinal sempre consigo!... Afinal parece que me começo a relembrar como é que isto se faz! E afinal não é assim tão difícil!...

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Do fim de semana...

Da paz...


Das memórias de infância...
Do silêncio...
Do cheiro dos avós...
Dos tons de verde...



Da simplicidade...


Das paisagens de cortar a respiração...
Do ritmo da aldeia...