terça-feira, 31 de maio de 2016

Da sôdona Inércia...



i·nér·ci·a
 
1. Falta de movimento ou de atividade.
2. Preguiça, indolência.
 

Ultimamente não me apetece fazer a ponta de um chavelho... mesmo aquelas coisas insignificantes, passo por elas, olho para elas e deixo-as estar só porque sim. Porque não me apetece...

É o par de calças que está aos pés da cama há 3 dias para arrumar...
É a bancada da cozinha que tem marcas das canecas do leite por limpar...
É a roupa que está no estendal por apanhar e dobrar... aahhh, ainda tenho de a dobrar...
É o par de sapatilhas à beira do sofá desde o fim de semana...
É o medidor da tensão arterial que continua na mesinha de cabeceira desde a semana passada quando senti tonturas...
É o saco do papel e do plástico já fora dos caixotes pacientemente à espera que os levem para o ecoponto...
É a cama que fica "a arejar" o domingo inteiro... até precisava era de ser mudada, mas só a trabalheira envolvida...
É a consulta que tenho de marcar no dentista, mas que... oh, amanhã...
É o telefonema que devia fazer mais amiúde para a minha avó...
É o jantar que devia deixar pelo menos planeado, mas que nem me apetece pensar...
É a desorganização que vejo diante dos meus olhos nestas pequenas coisas...

São as pequenas coisas que fazem parecer  que temos tudo controlado e organizado, aquelas que não custam nada, mas que nestas fases de inércia intensa parecem ser gigantescas...
Sei que há fases assim e precisava de um qualquer abanão para mexer isto.

O que eu odeio esta fase!! Sinto-me a arrastar-me e completamente inútil!

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Foi a put@ da loucura...

O Sr. Adam Levine não desiludiu...

Ainda eu estava na cama às 7:30 de sábado e já me arrepiava a ouvir a chuva e a trovoada que caíam lá fora...

Felizmente o autêntico dia de inverno ficou por terras a norte do Douro e lá fomos assistir a três a mais uma edição do Rock in Rio.

Íamos com ideias de nos divertir a percorrer o recinto, mas curiosamente (nem sei como) fomos dos primeiros a entrar e a grade em frente ao palco mundo ainda estava com tanto espaço livre que decidimos abancar lá e mais uma vez ficar na primeira fila.

Foi a 5ª vez que fui assistir a um espetáculo na Bela Vista, foi de todos o melhor lugar que apanhamos e foi de longe a vez em que a espera menos me custou.

Gostei imenso do musical com a história do RiR...
Adorei os D.A.M.A. que atuaram debaixo da maior chuvada da noite (benditos impermeáveis) para uma plateia já bastante compostinha...
A Ivete Sangalo é uma fonte de energia, sem dúvida nenhuma, e para quem conhece/aprecia o tipo de música, é sem dúvida um belo show...
Os Maroon 5... ora bem, nessa altura já lá estavam as 85 mil pessoas atrás de nós a delirar. É daquelas bandas que pensas OK devo conhecer umas 4 ou 5 músicas, mas à medida que vais ouvindo os acordes vais pensando Ah é verdade esta também é deles... também conheço esta... O homem tem uma voz espetacular e mantém aqueles agudos au point.

Foi muito bom!! Foi cantar as músicas todas que conhecia a plenos pulmões e braço no ar o tempo todo!

Caímos na asneira de fazer a viagem de volta ao Porto logo a seguir ao concerto, estávamos todos rotos e chegamos a casa às 6:30 da manhã... para isto sim, já não tenho idade... tirem-me as minhas horinhas de sono, tiram-me tudo!

Domingo foi dormir a manhã toda e 2 sonequinhas no sofá durante a tarde enquanto a filhota (coitadinha) se entretinha a estudar. Foi a pastelice total... Hoje bem que precisava que fosse sábado outra vez para recuperar...

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Amanhã...


... vamos até Lisboa!

Desta vez pelo hubby, ele é que é grande fã destes senhores. Eu e a filhota vamos acompanhar porque um concerto é sempre um concerto, Rock in Rio é sempre uma animação e apesar de não ser super fã dos 3 que vão atuar (DAMA, Ivete Sangalo e Maroon 5), cheira-me que vou gostar de todos.

Foi preciso crescer para ficar viciada em música, concertos e adrenalina :)... daqui por 15 dias lá vamos nós outra vez :-D

Sinceramente, é bem melhor ser fangirl nesta idade do que na adolescência. Não preciso de andar a pedinchar dinheiro e autorizações para fazer o que bem me apetece. E o melhor de tudo, é que tenho quem me acompanhe.

Agora, S. Pedro... vê lá se cumpres o que diz na net... eu nem me importo com as trovoadas, mas deixa a chuvinha cá para o Norte, pleeeease....

domingo, 22 de maio de 2016

Das manhãs de domingo


Ultimamente mesmo ao fim de semana acordo cedo. Sete da manhã e lá estou eu de olho arregalado, já nunca mais durmo...

Pego no telemóvel, passeio um pouco pelo twitter, pelo facebook, pelo blog, pelo instagram, pelo snapchat... distrai-me um pouco, mas rapidamente me encho ...

Cá em casa, as outras duas pessoas dormem a sono solto... a madrugadora sou só eu...

Sento-me no sofá com uma taça de cereais e ponho a  Anatomia de Grey que gravei durante a semana para ver no maior sossego possível...

Rapidamente acaba. E agora? Eles dormem... e eu dá-me ganas de ficar só com os meus pensamentos mas sozinha mesmo, para por as ideias em ordem...

Então pego na minha música e saio porta fora.

Levo a chave, o telemóvel e os fones. Não preciso de mais nada. Só preciso de me perder na música, de sentir o coração a bater mais forte pelo esforço da caminhada. Só preciso de me sentir de cabeça leve.

Gosto de sair sozinha com a música a invadir-me a alma. Gosto de sentir as endorfinas a invadirem o meu corpo em dose dupla: pela caminhada e pelo prazer da música.

Não consigo perceber porque me é tão difícil dar o primeiro passo se depois gosto tanto da sensação que uma caminhada solitária me dá.


sábado, 21 de maio de 2016

Viciante!!



É o a passar tempos infinitos a enrolar o cabelo macio e sedoso entre os dedos...

É o saborear uma decadente tablete de chocolate com manteiga de amendoim...

É a adrenalina que sentes num concerto onde sabes todas as músicas de cor...

É um café, um copo, um cigarro, uma droga...

Ficas viciada é na sensação intensa de prazer que tens no momento... e essa sensação é que faz tudo valer a pena...

O único senão é a sensação agridoce do depois... a"ressaca" que eventualmente aparece... até à próxima vez que te entregas aos teus pequenos vícios... mas mesmo assim, mesmo sabendo que o depois pode mexer contigo, não é por isso que resistes a esses pequenos momentos de prazer que dão cor à tua vida...

Porque como em tudo, o importante é o equilíbrio e um vício controlado é um dos melhores prazeres da vida!

domingo, 15 de maio de 2016

Bota cá pra fora...

Este é um daqueles posts escritos com o lápis da alma. Diretamente daquele sítio sombrio onde ninguém ousa entrar e de onde os pensamentos têm vergonha de sair...

Esta sou eu a expurgar os meus sentimentos mais obscuros...

Eu não gosto de ver fotos minhas do passado. 
Tenho vergonha de me ver nelas. 
Tenho vergonha de pensar que eu um dia permiti-me chegar onde cheguei.
Tenho pena de mim, de na altura pensar que eu não merecia lutar por mim, que aquilo era o melhor que eu podia ser, que não valia a pena eu esforçar-me para mudar... que eu não valia a pena...

Esta foto hoje está colada no espelho do meu quarto. 


Não gosto dela.
Olho para mim e vejo uma pessoa que apesar de sorrir, tem uma expressão triste. E é estranho, porque eu nunca me senti triste com a minha vida.
Aliás eu acho que nunca olhei para o espelho e vi a pessoa que vejo hoje nessa foto.
Eu nunca me apercebi de como estava tão grande.
A miúda dessa foto tinha 24 anos e usava calças de cintura elástica e camisolas de velha, literalmente da gaveta da avó... as lojas da moda estavam interditas ao tamanho dela.

A foto está hoje colada no espelho para eu me lembrar sempre onde eu já estive um dia. 
Está lá para me mostrar que eu consigo tudo o que eu quiser... que eu sou uma vencedora... que eu mereço sentir-me bem comigo...

Mesmo nos dias em que eu não me sinto uma vencedora e que ultimamente têm sido muitos.

Ultimamente e inconscientemente, tenho desviado o meu sentimento do orgulho do longo caminho que já percorri para o arrependimento dos passos atrás que tenho dado.

E apesar de ouvir amiúde que eu sou uma guerreira, uma pessoa extraordinária com uma garra imensa, esse sentimento dentro de mim tende a desvanecer-se.

E eu tenho de voltar a acreditar nisso!!

Porque eu tenho um medo incrível de voltar a ser a pessoa de olhar triste da foto.
Tenho medo de não me aperceber de estar a voltar a trilhar esse caminho,
Porque eu nem quando for velha quero voltar a ser obrigada a vestir roupa de velha.
Porque daqui a 10 anos eu quero olhar para as minhas fotos de 40 e sentir orgulho na pessoa que lá vejo e não pena como sinto ao olhar para a foto de 24.
Porque de algum modo eu desperdicei os melhores anos da minha vida a achar que eu não merecia amar-me e mimar-me, quando na verdade o meu corpo é o bem mais precioso que eu tenho e eu tenho de o amar e de cuidar dele.

Eu mereço sentir-me bem na minha pele. Eu mereço olhar para as fotos e pensar Porra, estavas bem! em vez de ter pena e vergonha de mim.

Eu nunca mais quero sentir isso de mim...

Não posso dizer que tenha adorado os meus vinte. Sim, foi a altura mais marcante da minha vida, foi quando nasceu a minha filha, um marco, para quem, como eu, nasceu para ser mãe. Por isso fico triste por o sentimento que tenho ao olhar para o eu da altura seja pena e vergonha.

Dos meus trinta já gostei mais, principalmente estes últimos anos, mas tenho em crer que os quarenta serão ainda melhores. A maturidade aliada à descontração e a uma certa dose de loucura, levam-me a pensar mesmo isso...

Só tenho mesmo é de voltar a acordar a guerreira, a pessoa extraordinária que parece andar adormecida dentro de mim...

Há 17 anos atrás...



... o dia foi assim.

Sentia-me feliz, era o meu dia de princesa! Foi tudo perfeito, exatamente como eu imaginei.

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Do sabor das pequenas amizades


Há dias em que o hubby não janta, há um restinho de qualquer coisa para a filhota e eu divirto-me a inventar só para mim sem grande medo do "e se ficar mal, e se não gostar?"

Ontem foi um desses dias. Sopa e fruta há sempre no frigorífico. Também havia wraps, meia dúzia de tomates cherry a pedirem urgentemente para ser comidos, um restinho de peru picado com cogumelos e uma mãozinha de queijo ralado.

Daqui saiu uma pizza maravilhosa que realmente satisfaz o desejo de fast food mas guilt-free...

Perfeita para um dia difícil de TPM agravada pela prepotência de quem acha que o dinheiro pode tudo, quando no fim de contas não vale absolutamente nada. A única coisa boa destes episódios é receber o carinho dos outros, dos pequeninos, os que tomam as nossas dores e nos demonstram que podemos contar com eles sempre. Esses pequeninos que crescem mais no nosso coração enquanto os maiores, os prepotentes, esses definham cada vez mais aos nossos olhos mesmo sem perceberem...

É garantidamente para repetir!!

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Hoje é dia de introspeção


Hoje é dia de por ordem nos macaquinhos do sotão.
Hoje é dia de arrumar as gavetinhas da imaginação.
Hoje é dia de descer das nuvens e definir prioridades.
Porque a vida é repleta de cores, de imprevistos, de pequenas felicidades.
E porque eu as quero aproveitar a todas.
Porque eu quero ser feliz aos pouquinhos.
Porque um dia eu vou querer olhar para trás, sorrir e pensar: fui feliz! A minha vida valeu a pena.
Hoje é dia de olhar para dentro de mim e organizar-me.
E quando tiver as minhas gavetinhas todas arrumadinhas, todas em ordem, organizadinhas por cores, sei que vou sentir um alívio incrivel e a sensação de felicidade, de paz interior e de serenidade vão florescer em mim.

E eu mal posso esperar por essa sensação...

terça-feira, 10 de maio de 2016

E depois do balanço de ontem à tarde...

... cheguei a casa e pesei-me... e assustei-me!! Há muito tempo que não via um número daqueles...

 Bem sei que o fim de semana foi destravado e que 2a feira não é um bom dia para subir à balança, mas sinceramente ainda bem que o fiz.

Depois de ver a desgraça, o jantar foi:


Depois de acabar de ver os Morangos com Açúcar com a filhota, levantei o cuzinho do sofá e tirei o pó à elítica:


Tinha uma energia extra armazenada que precisava de redirecionar e cá vai disto...

E, mais uma vez, senti-me tão bem comigo!!

Mas porque é que não fazes isto mais vezes, Sweet?! És tão parva às vezes!!

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Já passou um mês?!?!



Há 1 mês atrás assumi este compromisso comigo própria. A meio do desafio, estou ligeiramente aquém do esperado.

O objetivo era "obrigar-me" a ser mais disciplinada, mas sinceramente onde insisto mais é na água - a minha garrafa água até tem lugar no sofá da sala - e na hidratação depois do banho - não tenho falhado um único dia-.

A alimentação, apesar de normalmente regrada, não tem regalias de alimentação 100% clean, logo são poucos os dias em que considero merecer o ponto.

Quanto ao exercício... o que é isso?! Não me lembro de fazer, não me apetece fazer, já quase não sei fazer. Nos dias de sol era porque estava calor, nestes é porque está chuva. A elítica tem uma camada de pó que nem é bom e o sofá puxa por mim como se fossemos um só...

Ando numa fase em que até tenho algum tempo livre, falta-me é a vontade. Eu sei que devia combater isto, mas sinceramente não tenho vontadinha nenhuma.

Por isso, a modos que é assim... A meio do desafio, tenho 42 dos 100 pontos que me propus atingir. Podia ser melhor? Claro que sim, o ideal era estar acima dos 50... Podia ser pior? Com a minha falta de vontade, garantidamente que sim.

Não quero de maneira nenhuma falhar com este meu auto-desafio, mas vou ter de combater esta inércia que se instalou cá por casa, or else...

É para continuar, espero que com mais pica... não me quero desiludir a mim própria...

sexta-feira, 6 de maio de 2016

On repeat...


I might never be your knight in shining armor
I might never be the one you take home to mother
And I might never be the one who brings you flowers
But I can be the one, be the one tonight

When I first saw you
From across the room
I could tell that you were curious (Oh, yeah)
Girl, I hope you're sure
What you're looking for
'Cause I'm not good at making promises

But if you like causing trouble up in hotel rooms
And if you like having secret little rendezvous
If you like to do the things
You know that we shouldn't do
Baby, I'm perfect
Baby, I'm perfect for you
And if you like midnight driving with the windows down
And if you like going places
We can't even pronounce
If you like to do whatever you've been dreaming about
Baby, you're perfect
Baby, you're perfect
So let's start right now

I might never be the hand you put your heart in
Or the arms that hold you any time you want them
But that don't mean that we can't live here in the moment
'Cause I can be the one
You love from time to time

When I first saw you
From across the room
I could tell that you were curious (Oh, yeah)
Girl, I hope you're sure
What you're looking for
Cause I'm not good at making promises

But if you like causing trouble up in hotel rooms
And if you like having secret little rendezvous
If you like to do the things
You know that we shouldn't do
Baby, I'm perfect
Baby, I'm perfect for you
And if you like midnight driving with the windows down
And if you like going places
We can't even pronounce
If you like to do whatever you've been dreaming about
Baby, you're perfect
Baby, you're perfect
So let's start right now

And if you like cameras flashing every time we go out
(Oh, yeah)
And if you're looking for someone
To write your breakup songs about
Baby, I'm perfect
Baby, we're perfect

But if you like causing trouble up in hotel rooms
And if you like having secret little rendezvous
If you like to do the things
You know that we shouldn't do
Baby, I'm perfect
Baby, I'm perfect for you
And if you like midnight driving with the windows down
And if you like going places
We can't even pronounce
If you like to do whatever you've been dreaming about
Baby, you're perfect
Baby, you're perfect
So let's start right now

terça-feira, 3 de maio de 2016

Simplesmente genial este texto de Paulo Coelho!

Vem lembrar às mulheres que vivem obcecadas com a balança de que para os  homens, o peso é irrelevante. A beleza é muito mais do que isso. Ora lê só…
"Não importa o quanto pesa. É fascinante tocar, abraçar e acariciar o corpo de uma mulher. Saber seu peso não nos proporciona nenhuma emoção.
Não temos a menor ideia de qual seja seu manequim. Nossa avaliação é visual, isso quer dizer, se tem forma de guitarra… está bem. Não nos importa quanto medem em centímetros – é uma questão de proporções, não de medidas.
As proporções ideais do corpo de uma mulher são: curvilíneas, cheiinhas, femininas… . Essa classe de corpo que, sem dúvida, se nota numa fração de segundo. As magrinhas que desfilam nas passerelas, seguem a tendência desenhada por estilistas que, diga-se de passagem, são todos gays e odeiam as mulheres e com elas competem. Suas modas são retas e sem formas e agridem o corpo que eles odeiam porque não podem tê-los.
Não há beleza mais irresistível na mulher do que a feminilidade e a doçura. A elegância e o bom trato, são equivalentes a mil viagras.
A maquiagem foi inventada para que as mulheres a usem. Usem! Para andar de cara lavada, basta a nossa. Os cabelos, quanto mais tratados, melhor.
As saias foram inventadas para mostrar suas magníficas pernas… Porque razão as cobrem com calças longas? Para que as confundam connosco? Uma onda é uma onda, as cadeiras são cadeiras e pronto. Se a natureza lhes deu estas formas curvilíneas, foi por alguma razão e eu reitero: nós gostamos assim. Ocultar essas formas, é como ter o melhor sofá embalado no sótão.
É essa a lei da natureza… que todo aquele que se casa com uma modelo magra, anoréctica, bulímica e nervosa logo procura uma amante cheiinha, simpática, tranquila e cheia de saúde.
Entendam de uma vez! Tratem de agradar a nós e não a vocês. porque, nunca terão uma referência objetiva, do quanto são lindas, dita por uma mulher. Nenhuma mulher vai reconhecer jamais, diante de um homem, com sinceridade, que outra mulher é linda.
As jovens são lindas… mas as de 40 para cima, são verdadeiros pratos fortes. Por tantas delas somos capazes de atravessar o atlântico a nado. O corpo muda… cresce. Não podem pensar, sem ficarem psicóticas que podem entrar no mesmo vestido que usavam aos 18. Entretanto uma mulher de 45, na qual entre na roupa que usou aos 18 anos, ou tem problemas de desenvolvimento ou está se auto-destruindo.
Nós gostamos das mulheres que sabem conduzir sua vida com equilíbrio e sabem controlar sua natural tendência a culpas. Ou seja, aquela que quando tem que comer, come com vontade (a dieta virá em Setembro, não antes; quando tem que fazer dieta, faz dieta com vontade (sem sabotagem e sem sofrer); quando tem que ter intimidade com o parceiro, tem com vontade; quando tem que comprar algo que goste, compra; quando tem que economizar, economiza.
Algumas linhas no rosto, algumas cicatrizes no ventre, algumas marcas de estrias não lhes tira a beleza. São feridas de guerra, testemunhas de que fizeram algo em suas vidas, não tiveram anos ‘em formol’ nem em spa… viveram! O corpo da mulher é a prova de que Deus existe. É o sagrado recinto da gestação de todos os homens, onde foram alimentados, ninados e nós, sem querer, as enchemos de estrias, de cesárias e demais coisas que tiveram que acontecer para estarmos vivos.
Cuidem-no! Cuidem-se! Amem-se!
A beleza é tudo isto."