segunda-feira, 24 de abril de 2017

Das sensações tão boas :)


No meio da agitação da vida a minha tendência é (sempre foi) desvalorizar o que consegui.

É certo que ultimamente andei uns passinhos para trás, mas o mérito de tudo o que consegui, sei que nunca ninguém mo há-de tirar. Já para não dizer que se consegui uma vez, sei que tenho em mim a força para conseguir duas, três, dez, as que forem precisas para me sentir bem comigo própria.

E disso não desisto, posso cair cem vezes, que hei-de levantar-me cento e uma... Este é um sentimento que já está mais do que interiorizado e que é tão natural em mim como respirar.

E depois há aqueles sentimentos bons, mas bons, quando alguém te diz: "Olha, falei em ti um dia destes. De como és disciplinada de como levas isto a sério, com inteligência e como consegues levar isto com algum sacrifício!"

E eu - que sei bem como isso é verdade, mas que me esqueço tantas vezes - fico embevecida só de pensar que há quem pense, quem fale de mim como um exemplo a seguir...

Eu...olha eu, que parece que ando sempre a cambalear entre as coisas que devo fazer e as que não devia ter feito.

Eu, um exemplo... ADORO!!

domingo, 23 de abril de 2017

O que tens de saber sobre mim #1


Eu não sou um poço sem fundo! Custa a saltar-me a tampa, mas quando salta, tá tudo fodido...

Podes achar que estou a fazer uma tempestade num copo de água, mas não... foi simplesmente o transbordar do copo que se tem vindo a encher há que tempos!

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Dos desabafos de mãe


Obrigada pelos comentários do post anterior, foram um bálsamo para a minha alma de mãe.

 Que eu vou ser sempre o seu porto de abrigo e que ela sabe disso, não tenho dúvidas absolutamente nenhumas.

Ela às vezes na brincadeira diz-me: Tu não és o sol!, tipo, Eu não ando sempre à tua volta!

E eu penso, já não sou, mas já fui... e é o facto de deixar de ser o sol que me está a fazer confusão.

Eu sei que faz tudo parte da vida, do crescimento, também passei por lá, todos nós passamos... eu sei disso tudo!

Mas, até agora, ainda não tinha sentido na pele este descolamento dela de mim, só isso...

Eu não quero ser a mãe-melhor-amiga, quero ser a mãe-melhor-do-mundo, não quero ser a chata, nem a desinteressada. Estou lentamente a aprender a dar-lhe o espaço que ela precisa quando ela precisa, mas mantendo-me por perto.

Mais uma vez, e como em tudo, é uma busca incessante pelo equilíbrio, para nos mantermos todos felizes.

domingo, 16 de abril de 2017

Porque é que ninguém me disse que isto ia ser tão difícil?!

Não há nada na vida que nos prepare para sermos mães de adolescentes.

Como é possível olharmos para aquele ser - que aos nossos olhos ainda é aquela coisinha indefesa e deliciosa que saiu de dențro de nós, que nós moldamos com tanto cuidado, do qual nós conhecemos até os mais ínfimos pensamentos, que anda sempre agarrado às nossas saias "mããee... mããee..." - e vermos que cresceu do dia para a noite, que já tem alguns segredos, algumas partes que nos é vedada. Há aquela faceta que só os amigos conhecem e quando temos um vislumbre pensamos: quem és tu e o que fizeste com o meu bebé?

É tão difícil!! Porque é que ninguém me avisou disso?

E eu tenho sorte. A relação que tenho com a minha adolescente é única em cumplicidade.

Ainda assim...

Sinto que ela está a querer voar, como é normal, eu sei, e eu só não sabia que era tão difícil. Vai sempre haver uma parte da vida dela que eu vou desconhecer e eu não estou ainda preparada.

Na semana passada, numa conversa franca com a minha cunhada que vive com os meus sogros, dizia ela: "A minha mãe conhece aí uns 3% da minha vida. Nunca eu tive com ela nem um bocadinho da relação que vocês têm. Tens sorte Bia!"

Há umas semanas atrás ela contou-nos uma coisa que muitos temem contar aos pais. Fiquei orgulhosa dela. Fiquei orgulhosa da relação que construímos com ela. Fiquei feliz por saber que ela sabe que seremos sempre o porto de abrigo dela e como ela é forte e corajosa.

Depois vieram todos os medos e dúvidas de mãe. E eu digo: não estava preparada para lidar com a adolescência. E é irónico! Eu... que fui uma adolescente difícil, não estou preparada!

A única coisa que sei neste momento é que tenho de levar isto passo a passo, sem conceitos pré-definidos.

Porque o que eu mais quero é que ela fique. Quero continuar a ser o porto seguro, mesmo em tempos mais agitados.

Eu estou aqui filha... sempre.

sábado, 15 de abril de 2017

Bateu-me...

... estou mesmo fora de forma!!

Bastou uma tarde de passeata pelas ruas do Porto para me aperceber como tudo me custa.

Bem sei que me desleixei completamente no exercício, mas não pensei que estivesse assim tão fraquinha.

Ando aqui há algum tempo à espera que o click viesse ter comigo, mas estou a ver que ele tarda, portanto vou começar por baixo, por pouco que seja é melhor do que nada.

Vou então começar por um desafio de 30 dias que inventei. Para já estou entusiasmada!!


terça-feira, 11 de abril de 2017

Terça que parece Sexta


A partir de amanhã vão ser 6 diazinhos de férias que vão saber que nem ginjas!

A princesa está em casa, o pai só na sexta mesmo, por isso vamos as duas passar um bem merecido quality time em modo turista-na-nossa-cidade.

A ideia é descansar só mesmo a cabeça, porque o corpinho não vai pastelar estes dias. Quero aproveitar o bom tempo e os dias sem estudo para fazer coisas boas com ela.

A Bia ainda gosta de andar comigo e eu... adoro que ela goste.

Amanhã vamos deixar o carro na Baixa e percorrer o Porto, a Ribeira, atravessar a Ponte D. Luís de cima e de baixo, almoçar em Santa Catarina, lanchar no Starbucks, tirar fotos, muitas fotos como se visitássemos o Porto pela primeira e última vez.

Na quinta, vamos fazer um piquenique no Parque da Cidade, respirar o ar puro da natureza por entre a selva de betão e vamos molhar os pés nas praias de Matosinhos. Vamos apanhar sol e comer um gelado de máquina que pinga sempre pelo fundinho da bolacha mole.

O resto dos dias diz que o S. Pedro vai estar mal disposto... veremos...

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Tapioquinha parte 2


Apesar desta experiência não ter sido maravilhosa, não me dei por vencida!

Primeiro porque toda a gente anda a falar nisto e depois porque ainda tenho muito polvilho para gastar.

E desta vez adorei!!

O que fiz de diferente:

- Se da primeira vez tinha untado a sertã com um niquinho de azeite, desta vez untei com óleo de côco... como aquilo não sabe a nada, adquiriu o sabor a côco... tão bom! Fez mesmo a diferença! Tenho visto imensas receitas com óleo de côco e estou mortinha por experimentar mais algumas.

- Se da primeira vez recheei com uma fatia de queijo e uns pingos de geleia de marmelo, desta vez espalhei também um pouquinho de manteiga de amendoim caseira. O salgado da manteiga de amendoim junto com a geleia... só vos digo, não é à toa que os americanos são doidos por peanut butter & jam. Combinação vencedora!!

E depois há inúmeras combinações de recheios que têm tudo para dar certo, tanto doces como salgados. Vai ser definitivamente para continuar em experiências!

Adenda: E tapioquinha recheada com atum ovo cozido e azeitonas que fiz ontem à noite?!... Caramba, que maravilha!!

domingo, 2 de abril de 2017

Overdose de porcaria...


Ontem foi dia de lixo...

Eu até concordo com o conceito de haver alturas em que nos devemos entregar ao prazer da comida decadente, mas a ideia é que o "pecado" nos dê efetivamente prazer!

Ontem fui almoçar com os meus avós - franguinho no churrasco com batata frita e limonete para sobremesa.

Depois fui ao cinema com a minha filha - já fomos mais amantes de pipocas, portanto substituimos por uns não menos calóricos maltesers e nougat de amendoim.

Para quem já foi ao Marshopping e passou junto à loja dos waffles digam-me: como é possível sair dali sem comer um? O cheirinho chama-nos para lá, mesmo sem fome nenhuma!

Foi o que aconteceu. O cinema acabou tarde, a fome não era nenhuma, mas o cheiro do waffle pairava à nossa volta... foi irresistível!

Chegamos a casa, só me apeteceu beber umas águas com gás!

Foi um autêntico dia de lixo, não houve nada que se aproveitasse para uma dieta saudável. E o pior de tudo é que me deitei com uma sensação de autêntica intoxicação!

Se valeu a pena? Sinceramente não, foi porcaria a mais para um dia só.

Hoje, obviamente, é dia de recomeço.