sábado, 13 de outubro de 2018

E pronto


Foram 5 anos a alimentar este meu cantinho virtual, mas sinto que estou a trilhar um caminho tão diferente deste que me levou a criar este blog, que me estou a sentir um bocadinho sufocada aqui.

Preciso urgentemente de um novo caderninho com folhas brancas prontinho a encher com os meus novos pensamentos.

Nunca me irei desfazer deste Life is Sweet nem do velhinho Sweet 68, assim como nunca me irei desfazer dos meus caderninhos que comecei a escrever precisamente há 15 anos atrás.

São os meus diários, é a minha vida, os meus sentimentos mais profundos aqui revelados. É a parte mais verdadeira de mim.

Quem sabe ainda nos encontramos por essa blogosfera fora ❤️

sábado, 6 de outubro de 2018

Porque eu não sei viver sem ti


Porque eu nunca pensei que aos teus 16 anos ainda teríamos uma relação assim tão próxima.
Porque falamos sobre tudo e nunca há silêncios constrangedores entre nós.
Porque tu ainda procuras o meu colo, o meu abraço e o meu toque.
Porque fazes questão de me dizer que tens uma vida feliz, mesmo no rebuliço da adolescência.
Porque o que eu mais quero na vida é que tu sejas feliz e que nos mantenhas bem próximos de ti.
Porque eu já não me consigo lembrar de como era a vida antes de ti, e como era possível viver feliz sem ti.
Porque estás a crescer, a reclamar os teus momentos solitários, mas que balanceias perfeitamente com os momentos de ronha ao meu lado no sofá, tanto na galhofa como no silêncio .
Porque eu nunca num milhão de anos poderia sonhar que a minha Bia adolescente seria tão diferente da Lena adolescente que eu fui.
Porque me estás a habituar tão mal ao teu amor que eu por vezes temo o dia em que ele se torne fisicamente mais distante e sofro por antecipação.
Porque eu quero ver-te a crescer, assim como cresce diariamente o meu amor por ti, e quando eu penso que já não é possível eu amar-te mais, o coração estica mais um bocadinho.
Porque eu sei que cresço lentamente como mãe ao mesmo tempo que tu cresces como mulher.

E que Mulher enorme te estás a tornar!

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

No fundo, no fundo, é maravilhoso!


Acordei mal-disposta, enjoada, com cólicas... E sei perfeitamente que foi dos abusos de ontem!

O hubby fez 45 anos e apesar da grande festa ser só no próximo fim de semana para juntar o aniversário dele ao da princesa, ontem festejamos a três.

Houve frango assado com castanhas para o almoço e uma pequena torta para sobremesa. E houve tripa enfarinhada bem fritinha para o jantar, que eu adoro, mas que como muito raramente!

Se antigamente este tipo de comidinhas passavam pelo meu corpo naturalmente, agora que faço uma alimentação mais leve, deixa mossa no organismo e é ver-me aqui de caneca de chá em punho a tentar limpar isto um bocadinho.

E no meio da agonia, fico radiante por o meu corpo agora conseguir dar-me este tipo de alerta. A mim, que nunca tive este travão, que era um poço sem fundo para todo o tipo de porcarias doces e salgadas.

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Das resoluções da rentrée


Nesta rentrée depois de férias tomei duas resoluções:

Uma delas foi 'forçar-me' a ir fazer pelo menos uma caminhada por semana à hora do almoço à beira mar para repor as energias positivas que o mar me transmite. Check esta semana e Check também na semana passada, sendo que houve duas caminhadas extra ao final do dia também na praia, mas em família.

A segunda foi deixar de aproveitar todos os restinhos de comidas para os meus almoços. Às vezes era cada mixórdia que trazia e com qualidade algo duvidosa que enfim...

Optei por adiantar os almoços ao fim de semana com coisas mais para o esquisito que gosto bastante, mas que normalmente não faço para a família e faço logo para 3 refeições, uma vez que não me importo de repetir refeições.

Por exemplo, na semana passada foi cebolada com batata doce e ovo escalfado com bastante vinagre - é delicioso!! - e esta semana foi couscous com cogumelos frescos e brócolos com vinagre balsâmico, que também ficou uma delícia.

Obviamente que se me sobrar uma refeição em condições, não deito fora.

Do fim de semana sobrou-me um bom pedaço de puré e um bom bifinho do lombo que ia comer hoje... só que o puré estava azedo! Acabei por comer só o bife, acompanhei com mais fruta do que o normal e algumas bolachas (foi o possível).

Conclusão: estou com uma sonolência e uma moleza que nem é bom! Já há quase 15 dias que não me sentia assim, o que me leva a crer que foi o tipo de almoço que fiz (com uma sobrecarga de açúcar) que deixou o meu corpo assim molengão.

Engraçado que já me tinha sentido assim diversas vezes, mas nunca tinha relacionado uma coisa com a outra.

Esta é uma das bases da alimentação intuitiva: ouvir o nosso corpo e adaptar a alimentação às suas necessidades e fico verdadeiramente feliz por estar a conseguir seguir este caminho intuitivamente.