domingo, 22 de março de 2015

No meu tempo...


Lembro-me perfeitamente dos meus pais terem a idade que eu tenho agora e, meu Deus, como somos tão diferentes!!

Pensei que aos 39 eu já iria pensar como uma "adulta"... não iria apreciar a música de hoje em dia... iria eleger o telejornal como o meu programa de televisão preferido... iria passar a usar saias travadas e o cabelo mais curto, como as senhoras usam... iria preocupar-me em manter a casa sempre a brilhar e a roupa sempre impecavelmente passada... iria sentir na pele a generation gap com a minha filha...

Mas aos 39 anos a Sweet é tudo menos o que pensou!

No meu tempo de adolescente não havia internet. Fã de música que se prezasse guardava religiosamente todos os escudos que sobravam do lanche para comprar a revista Bravo para poder recortar fotos dos cantores do momento; nem sequer era para ler as notícias que eram em alemão, era só para ter umas fotos e alguns posters.

Hoje, o milagre da net, do facebook, do twiter, do instagram, colocam-nos mais perto das pessoas que admirámos como nunca sonhámos que fosse possível, quase como que a partilhar momentos com pessoas inalcançáveis.

No meu tempo de adolescente quase tudo o que eu gostava de ouvir era olhado de lado pelos meus pais porque só no tempo deles é que se fazia boa música. Ainda hoje eles pararam no tempo dos Beatles, dos ABBA e dos Queen. O rádio do carro do meu pai ainda hoje está permanentemente sintonizado na TSF e o conceito de CD's é nulo.

Hoje, continuo a gostar do que gostava no meu tempo de adolescente (Bon Jovi forever), mas gosto de me manter atualizada e adoro que a minha princesa partilhe comigo o que de melhor se ouve hoje em dia. A rádio do emprego está o dia inteiro sintonizado na música da Comercial e no meu carro ouve-se música que adoramos aos berros.

No meu tempo de adolescente os meus pais faziam o que era politicamente correto. Os dias de aulas eram sagrados e as notas dos testes o ponto alto das nossas conversas; e apesar de adorar os meus pais, senti imenso a generation gap.

Hoje claro que me interesso pelo aproveitamento escolar da minha filha, ela é boa aluna e, para já, não me dá dores de cabeça nenhumas . Mas interesso-me muito mais por conhecê-la inside-out. Fazê-la sentir que é especial e que pode ser absolutamente tudo o que ela quiser. E é por ela ser tão responsável e boa miúda que merece tudo.

No meu tempo de adolescente era impensável sequer pensar em pedir aos meus pais para faltar às aulas fosse por que razão fosse.

E hoje, aos 39 anos, quando eu já devia pensar como uma "adulta", dou por mim a viver através da minha filha o que gostava de ter vivido nos meus tempos de adolescente mas que não vivi porque simplesmente no meu tempo não era assim.

Então, a mãe "adulta" vai meter-se no comboio em maio rumo a Lisboa com a filha adolescente para lhe realizar o sonho de ver ao vivo os 5 SOS que tem o baterista mais fofinho de todos os tempos.

Foi a mãe "adulta" que incentivou a filha a aceitar o convite, mesmo significando sacrificar 2 dias de férias da mãe e de aulas da filha. Porque a filha merece e porque a mãe sabe que ela queria ainda mesmo antes de ela o saber!

Hoje no meu carro e no meu telemóvel só se ouve 5 Seconds of Summer... porque gostamos, porque a música é da boa, barulhenta qb como eu gosto... porque um concerto para ser vivido ao máximo tem de ser cantado, gritado e saltado do início ao fim e para isso, só conhecendo bem as músicas... porque eu nunca vou esquecer a adrenalina que senti no meu primeiro concerto à séria quando tinha 33 anos (Bon Jovi) e porque quero sentir isso outra vez e quantas mais vezes puder.

E quando eu digo à princesa que a minha mãe nunca teria feito isto comigo, ela diz-me "Mas tu não és a tua mãe, tu és a minha mãe!". Quando eu digo que devia ser mais "adulta", mais mãe do que amiga, ela diz-me "Não deixes de ser assim, adoro-te como és!"

Se calhar, aos 39 anos, eu já devia ser adulta, mas não sou. Sou simplesmente o que dentro de mim acho que devo ser. Assim. Sem filtros!

6 comentários:

  1. Mais nada... Tb não me considero a adulta típica! Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Os tempos mudaram muito :) Mas ainda bem :D És uma mãe do caraças :D :D

    ResponderEliminar
  3. Mas este também é o teu tempo, Sweet :)
    Eu também às vezes julgo que ainda sou uma gaiata...
    Mantem-te assim

    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Engraçado como quando somos crianças achamos que vai haver uma idade em que vamos sentir-nos "adultos"... Eu ainda estou à espera que isso aconteça!! :)
    Se estiverem felizes, estás a fazer as coisas bem. ;)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Ao ler este post revi aquilo que penso imensas vezes.
    Tb sou assim como tu!
    Hehe

    ResponderEliminar
  6. heheheh muito bom texto lindona! Conseguiste por em palavras muitas das coisas que sinto! Eu também penso muita vez... caramba!!! eu quando conheci a minha sogra ela tinha a minha idade (35) e já era uma "senhora" além de eu ainda ter os filhotes pequenos.... ela já tinha um de 17... mas a verdade é que eu ainda me sinto uma adolescente :)

    ResponderEliminar