sábado, 19 de dezembro de 2015

Dos traumas de infância...

Eu tinha quase 5 anos quando fui pela primeira vez para o colégio. Até aí a Leninha tinha sempre estado debaixo da asa da avó que lhe fazia algumas vontades, como é o dever das avós, claro.

O colégio era de freiras e a única recordação boa que tenho é do sabor dos gelados de groselha que havia uma vez por semana. Era um sítio frio, as freiras não eram carinhosas, as meninas grandes que já andavam na 1ª classe eram más, principalmente a Rita, que me mordia e me tirou as amêndoas de licor que a minha mãe me deu. A minha única amiga era a Natacha e nós brincávamos durante muito tempo com uma tigela cheia de legos azuis e vermelhos que estavam numa estante.

Lembro-me perfeitamente do cheiro do refeitório. Cheirava a sopa. Sopa inteira. Sopa com couves que eu demorava imenso a comer porque cada colher que era obrigada a meter à boca ficava lá imenso tempo. As couves metiam-me nojo, não conseguia engolir sem me dar vómitos e quando ninguém estava a olhar, colava os fios que me enojavam debaixo da mesa. Odiava aquele horroroso colégio de freiras.

Nunca mais na minha vida consegui comer couves! Em minha casa há sempre sopa feita, mas a minha sopa tem de ser sempre passada e bem passada, senão mesmo passados 35 anos, continua a dar-me vómitos. Para mim, o bacalhau no Natal não tem couves, não suporto caldo verde, e o único legume do cozido à portuguesa é a cenoura.

Odeio as freiras e odeio as couves! Nunca lhes consegui dar uma segunda oportunidade...

Até agora...


Os legumes salteados têm sido o acompanhamento de muitas refeições  por aqui. Couve e cenoura finamente fatiadas vão para o tacho com um fiozinho de azeite e um dente de alho picado, no fim um pouco de vinagre e é só servir. O sabor afinal é bom! É saudável e aconchega a barriguinha. 

Afinal a Lena já gosta de couves... mas para já, só das minhas... 

As freiras, essas, ainda têm muito que andar para me conquistarem.

7 comentários:

  1. Muito sentido este texto com sabor a infância . Compreendo a tua relutância com as couves, mas acho que fizeste bem em dar - lhes uma segunda oportunidade. Quem sabe um dia as freiras tb a tenham...o teu coração fará o que for melhor. Beijinhos!

    ResponderEliminar
  2. Não sou fã de freiras. Mas adoro couve. Sobretudo lombarda e coração.

    ResponderEliminar
  3. Ainda bem que deste uma segunda oportunidade às couves. :) Têm bom aspecto, também gosto muito de comer vegetais assim.
    Conheço duas pessoas que foram educadas em colégios de freiras (e padres) e também não têm boas recordações. Irónico que assim seja, quando deveriam ser as primeiras pessoas a educar com amor... :\
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Dificilmente poderá educar com amor quem foi educado na repressão... talvez hoje fosse diferente... nunca se sabe.... é uma história com História que te fez e que provavelmente ajuda a seres companheira como és. Sabemdo dar valor ao que realmente importa.... e as couves... essas.... nem são más de todo!!!!
    :-)

    Beijocas grandes!

    Sweet

    ResponderEliminar
  5. Há coisas que nos marcam de tal forma que dificilmente conseguimos ultrapassá-las... mas pode ser que um dia cruzes com uma freira que te faça pelo menos considerar que há um pouco de tudo...
    Tal como as couves! :)

    ResponderEliminar
  6. És tratada por Leninha?! Que giro, eu também sou. Helena para uns, Lena para outros e Leninha para outros. As Leninhas são boas pessoas!!! :)

    ResponderEliminar
  7. És tratada por Leninha?! Que giro, eu também sou. Helena para uns, Lena para outros e Leninha para outros. As Leninhas são boas pessoas!!! :)

    ResponderEliminar