sexta-feira, 21 de abril de 2017

Dos desabafos de mãe


Obrigada pelos comentários do post anterior, foram um bálsamo para a minha alma de mãe.

 Que eu vou ser sempre o seu porto de abrigo e que ela sabe disso, não tenho dúvidas absolutamente nenhumas.

Ela às vezes na brincadeira diz-me: Tu não és o sol!, tipo, Eu não ando sempre à tua volta!

E eu penso, já não sou, mas já fui... e é o facto de deixar de ser o sol que me está a fazer confusão.

Eu sei que faz tudo parte da vida, do crescimento, também passei por lá, todos nós passamos... eu sei disso tudo!

Mas, até agora, ainda não tinha sentido na pele este descolamento dela de mim, só isso...

Eu não quero ser a mãe-melhor-amiga, quero ser a mãe-melhor-do-mundo, não quero ser a chata, nem a desinteressada. Estou lentamente a aprender a dar-lhe o espaço que ela precisa quando ela precisa, mas mantendo-me por perto.

Mais uma vez, e como em tudo, é uma busca incessante pelo equilíbrio, para nos mantermos todos felizes.

2 comentários:

  1. Andamos sempre à procura desse equilíbrio.

    ResponderEliminar
  2. Não é fácil, imagino! Nem quero pensar muito nessa fase, ainda! :)

    ResponderEliminar