domingo, 20 de julho de 2014

A vida é injusta...


Há 3 anos atrás eu contava esta história cada vez mais banal nos dias de hoje, infelizmente.

A minha amiga C., minha companheira de barriga, teve cancro no reto. Hoje ela está curada disso. Mas hoje ela está desfeita não pela doença, mas pela cura. A quimioterapia e a radioterapia deram cabo dela por dentro. Hoje ela é uma sombra da pessoa que conheci.

Há 3 semanas atrás, a irmã dela bateu-nos à porta (somos vizinhas no mesmo andar) a pedir ajuda... Dificilmente me hei-de esquecer daquela voz fraca quando entrámos no quarto a dizer "Ajudem-me..." Chamamos o 112 no limite do tempo, mais meia hora e a C. tinha-nos deixado...

Hoje a C. veio a casa despedir-se do marido que está de partida para o regresso ao trabalho na Holanda. Ficou 2 horas e teve de voltar ao IPO...

O filho amanhã vai com os tios para o Algarve, ele tem de se afastar um pouco desta situação...
O marido vai ganhar o sustento da família para a Holanda...
A mãe e a irmã que estavam a cuidar dela e do filho aqui em casa, vão voltar à sua própria casa...
A casa da C. vai ficar vazia...

A mãe dela veio aqui dizer-me isso e só uma mãe à beira do desespero é que conseguiria admitir que já não aguenta mais ver a filha neste estado e que acha que hoje foi a última vez que a filha veio a casa...
Ela só pede a Deus um milagre... que provavelmente não vai acontecer... e diz que isto não é vida para a filha e que só tem pena deste pequeno inocente que vai viver sem a mãe...

Eu só peço que a C. recupere, nem que seja lentamente, mas que recupere...

E que esta doença, a mais maldita de todas as doenças, que chega quase sem avisar e que desta vez bateu na porta ao lado, nunca nos venha bater na nossa porta.

Os meus pensamentos continuam contigo amiga...

7 comentários:

  1. Sei bem como te sentes, e como se sente essa familia. Essa maldita doença que derrota quem a tem e quem está ao redor. Que tudo cora pelo melhor e força para todos.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Sei bem como te sentes, e como se sente essa familia. Essa maldita doença que derrota quem a tem e quem está ao redor. Que tudo cora pelo melhor e força para todos.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Desejo que corra tudo bem com a tua amiga. Muita, muita sorte. Beijo grande.

    ResponderEliminar
  4. Que nó na garganta... e no estômago... e no coração...

    ResponderEliminar
  5. A minha avó faleceu à 1 mês e 11 dias com um cancro que inicialmente era no fígado mas rápido se alastrou. Nem quimio já ia fazer efeito.
    Parece a doença da moda.

    Sei pelo que estão a passar e custa mesmo muito.
    Desejo mesmo do fundo do coração que tudo se resolva. Que ela fique bem de uma vez por todas.

    Beijocas e muita força

    ResponderEliminar
  6. Não tem nada a ver com o teor do teu post... mas, sim, comi e sem remorsos. :)
    Beijinhos e ânimo!

    ResponderEliminar
  7. A vida é de facto, terrivelmente injusta e dura.
    Faço força para que a C. recupere, mesmo como dizes, lentamente que seja...
    Beijinho grande

    ResponderEliminar